Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a nossa política de privacidade e de utilização de cookies.

OK

Espectáculos

de Alice Vieira . Classificação CCE M/6

Tive um reino, tive um manto,/ tive um cetro e uma coroa, filhas que eram o meu encanto / – que mais podia querer / uma pessoa (…) Agora só tenho um bobo, / um cajado e meia broa, estou cego, cansado, roto /- que mais pode aguentar / uma pessoa?

cit. Leandro, Rei da Helíria, Alice Vieira

Inspirado na narrativa popular, com semelhanças ao enredo de Rei Lear de Shakespeare, esta peça conta-nos a história de um rei bondoso, Leandro, duas filhas más, Amarílis e Hortênsia, uma filha boa, Violeta, e um bobo fiel.

Tudo está em paz no reino de Helíria até ao dia em que o Rei tem um sonho muito estranho, que o leva a crer que está na altura de abandonar o trono.

Como não tem filho varão decide entregar o reino à filha que mais o amar. Para isso, cada uma deve exprimir, por palavras, os seus sentimentos por ele. Violeta, a filha mais nova, não encontra outra comparação senão a de que quer ao pai tanto como a comida quer ao sal. O Rei não entende esta medida de amor. Furioso, expulsa a filha e entrega metade do reino a cada uma das outras filhas. Mais tarde, as filhas más acabam por expulsar o pai do reino de Helíria, que agora lhes pertence.

O rei caminha durante anos com o seu bobo fiel por terras desconhecidas. Já velho, cansado e cego, vai ter, sem o saber, ao reino de sua filha Violeta. Esta serve-lhe um manjar de comida sem sal. O rei acha a comida intragável e pensa ser uma conspiração para o envenenarem. Acaba por perceber que está no reino de Violeta e compreende, então, a falta que um bem tão essencial como o sal faz. Pede perdão a Violeta por não ter percebido que ela era a única filha honesta e que realmente o amava.

Fazem as pazes e reencontram-se pai e filha.

FICHA TÉCNICA

  • Encenação:
    Ruy Pessoa
     
  • Assistência de Encenação:
    Vania Dinis
     
  • Música original:
    Carlos Alberto Moniz
     
  • Seleção Musical:
    Né Campelo
     
  • Luminotecnia e Sonoplastia:
    Paulo Santos
     
  • Contrarregra:
    Vania Dinis
     
  • Adereços e Cenário:
    Nelson Santos; Ruy Pessoa
     
  • Adereços (coroas):
    Graça Loureiro
     
  • Carpintaria:
    António Monteiro; Nelson Santos
     
  • Figurinos:
    Ruy Pessoa
     
  • Costureira:
    Donzília Faria
     
  • Produção:
    Mirian Azeredo, Susana Rato

 

ELENCO

  • Carolina Freitas
    Violeta
     
  • Silvia Guerreiro
    Amarílis, Criada
     
  • Patrícia Teixeira 
    Hortênsia, Criada
     
  • Rodrigo Marques 
    Príncipe Simplício, Criado
     
  • Rafael Ascensão
    Rei Leandro
     
  • Nelson Dias
    Bobo
     
  • Daniel Guerreiro
    Arauto, Conselheiro, Pastor
     
  • Rogério Costa
    Príncipe Felizardo, Aia, Criado
     
  • Filipe Lopes
    Príncipe Reginaldo, Aia

OUTROS ESPETÁCULOS

Auto da Barca do Inferno

de Gil Vicente

Auto da Barca do Inferno

saber mais

de Manuel António Pina

Aquilo que os olhos veem ou o Adamastor

saber mais
Aquilo que os Olhos veem ou o Adamastor
Farsa de Inês Pereira

de Gil Vicente

Farsa de Inês Pereira

saber mais

APOIOS

Instituto Português da Juventude
Casa dos Direitos Sociais
Delta
Espaço LX Jovem
Câmara Municipal de Lisboa
Marilina Tinta
JGF
Sanitana
Amadeu & Rocha
Minabel
A&M Leilões
Nomalism