Este website utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Para aceitar o uso de cookies basta continuar a navegar no website. Para mais informação consulte a nossa política de privacidade e de utilização de cookies.

OK

Espectáculos

de Gil Vicente . Classificação CCE M/12

A seguinte farsa de folgar foi representada ao muito alto e mui poderoso rei D. João, o terceiro do nome em Portugal, no seu Convento de Tomar, era do Senhor de MDXXIII. O seu argumento é que porquanto duvidavam certos homens de bom saber se o Autor fazia de si mesmo estas obras, ou se furtava de outros autores, lhe deram este tema sobre que fizesse: segundo um exemplo comum que dizem: mais quero asno que me leve que cavalo que me derrube. E sobre este motivo se fez esta farsa.

cit. Farsa de Inês Pereira, Gil Vicente

Tendo como mote o ditado popular  “mais vale asno que me leve que cavalo que me derrube”, Gil Vicente escreveu esta comédia de costumes retratando o comportamento amoral da degradante sociedade da época.

Entre o «asno» e o «cavalo» do mote inicial temos Inês Pereira, a personagem principal, jovem casadoira mas exigente. O «asno» é Pêro Marques, o seu primeiro pretendente, que lhe é trazido por Lianor Vaz, alcoviteira típica do tempo.

Pêro Marques, morgado inculto, que nunca viu sequer uma cadeira, personifica a rusticidade. Inês recusa-o, pois pretende antes alguém que, à boa maneira da Corte, saiba fazer versos, cantar e dançar. Alguém como Brás da Mata, o segundo pretendente, que lhe é trazido por dois judeus casamenteiros.

Contudo, consumado o casamento, Brás da Mata, revela ser tirano, proibindo-a até de ir à janela e de cantar dentro de casa.

Encarcerada em sua própria casa, Inês encontra sua desgraça. Mas a desventura dura pouco, pois Brás da Mata torna-se cavaleiro e é chamado para a guerra, onde morre às mãos de um mouro.

Viúva e mais experiente, Inês aceita agora casar-se com Pêro Marques. Aproveitando-se da ingenuidade deste, trai-o descaradamente quando é procurada por um ermitão, que fora seu antigo apaixonado.

Marcam um encontro na ermida e Inês exige que o marido a leve ao encontro do ermitão. Para atravessar um rio que existe no meio do caminho, Pêro carrega a mulher às costas enquanto esta vai cantando uma canção alusiva à sua infidelidade e à mansidão do marido. Consuma-se assim o tema do ditado popular, “Mais vale asno que me leve que cavalo que me derrube”.

FICHA TÉCNICA

  • Encenação: 
    Ruy Pessoa
  • Assistência de encenação: 
    Sónia Vieira Cardoso
  • Seleção Musical: 
    Né Campelo
  • Luminotecnia e Sonoplastia: 
    Paulo Santos
  • Contrarregra: 
    Luisa L’Abbate
     
  • Cenário:
    Ruy Pessoa
     
  • Carpintaria: 
    José Augusto Pinto
  • Figurinos: 
    Ruy Pessoa
  • Costureira: 
    Donzília Faria
  • Secretariado de Produção: 
    Mirian Azeredo, Susana Rato

 

ELENCO

  • Silvia Guerreiro
    Mãe
     
  • Daniel Guerreiro
    Vidal
     
  • Miguel de Sousa Pereira 
    Latão
     
  • David Andrade  
    Moço
     
  • Diogo Tormenta 
    Pêro Marques, Fernando
     
  • Mariana Sardinha
    Inês Pereira
     
  • Inês Ferreira da Silva
    Lianor Vaz, Luzia
     
  • Rogério Costa
    Escudeiro, Ermitão

OUTROS ESPETÁCULOS

Auto da Barca do Inferno

de Gil Vicente

Auto da Barca do Inferno

saber mais

de Manuel António Pina

Aquilo que os olhos veem ou o Adamastor

saber mais
Aquilo que os Olhos veem ou o Adamastor

de Alice Vieira

Leandro, Rei da Helíria

saber mais

APOIOS

Instituto Português da Juventude
Casa dos Direitos Sociais
Delta
Espaço LX Jovem
Câmara Municipal de Lisboa
Marilina Tinta
JGF
Sanitana
Amadeu & Rocha
Minabel
A&M Leilões
Nomalism